O CORAÇÃO DO PAI EM UMA GERAÇÃO FERIDA | World Challenge

O CORAÇÃO DO PAI EM UMA GERAÇÃO FERIDA

Gary WilkersonJuly 16, 2018

Reivindicando sua herança valiosa

Neste momento, uma geração está entrando na idade adulta – e eles estão desesperadamente feridos. Estes são homens e mulheres jovens que cresceram com o que eu chamo de coração órfão. Eles sentem que não têm direção na vida. Eles não sentem a supervisão cuidadosa que vem de um amoroso Pai celestial. E eles estão se afastando completamente da mensagem cristã.

Isso pode ser porque eles cresceram sem pai ou sem mãe. Talvez um pai os tenha fisicamente abandonado. Ou talvez um pai estivesse emocionalmente desapegado. Muitos nesta geração ferida ainda buscam esperança em Jesus. Mas eles olham ao redor da igreja e se perguntam: “Todos aqui devem se sentir amados. Eles levantam as mãos livremente em adoração. Por que não me sinto da mesma maneira?”.

Suas feridas são profundas – e eles geralmente reagem a essas feridas de duas maneiras.

Os efeitos do abuso ou da negligência são trágicos. E a profunda reação humana a essas coisas é universal. As pessoas podem se esconder e se afastar, culpando-se pelo que experimentaram, ou podem atacar com raiva, incapazes de confiar em alguém.

Você provavelmente conhece cristãos que se relacionam dessa maneira. Quando eu conheço cristãos assim, não vejo pessoas covardes ou revoltadas e rebeldes. Eu vejo pessoas que foram feridas ao ponto de fraqueza. Eles estão compensando o que nunca foi semeado neles. Mesmo aqueles que tendem a enfurecer-se agem por um sentimento de vazio – uma convicção interior que lhes diz: “Não deixe que eles vejam o seu verdadeiro eu, porque você não é digno. Você é ruim, terrível, não é bom o suficiente”. Isso só perpetua o espírito órfão dentro deles.

Jesus aborda isso diretamente em seu Sermão do Monte. Ele fala para uma geração ansiosa e ferida quando diz: “Olhe para os pássaros. Eles não plantam ou colhem ou armazenam alimentos em celeiros, pois o seu Pai celestial os alimenta.

E você não é muito mais valioso para ele do que eles? Olhe para os lírios do campo e como eles crescem. Eles não trabalham nem fazem suas roupas, nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu tão lindamente quanto eles. E se Deus se importa tão maravilhosamente com as flores silvestres que estão aqui hoje e que são lançadas no fogo amanhã, certamente ele cuidará de você” (Mateus 6:26, 28-30, NLT, minha ênfase).

Que notícia incrível para qualquer geração – mas especialmente para uma nação ferida. O coração da passagem é a pergunta de Jesus: “Você não é muito mais valioso para ele?”. Na verdade, é uma afirmação – e corta toda a raiva, estresse, ansiedade, frustração e profunda sensação de fracasso.

Essa última característica – um sentimento de fracasso – é uma fortaleza em multidões de cristãos.

Todos nós falhamos e continuaremos a falhar. Mas muitos no corpo de Cristo pensam em si mesmos como falhas totais em tudo. Eles sentem que não podem fazer ou dizer nada direito, e passam noites sem dormir condenando a si mesmos. Quando eles se levantam no dia seguinte, eles decidem se esforçar mais – mas isso só piora as coisas, porque eles nunca chegarão ao ponto de perfeição que imaginaram.

Depois de um tempo, eles se desgastam em sua caminhada com Jesus. Eles acham que algo está permanentemente errado com eles. E eles acabam gravitando em direção a mensagens duras de pregadores severos que dizem a eles o que eles já pensam de si mesmos: “Você não é bom, e Deus tem que mudar você”.

Eu me sinto tão mal por esses crentes oprimidos. Como pastor deles, eu os via na igreja toda semana esperando que Deus lhes desse algum tipo de correção permanente. Olhando do púlpito, via o desespero em seus olhos. Eles esperavam que eu pregasse algo em que eles pudessem se agarrar, que pudesse curá-los do contínuo fracasso.

Mas eu preguei para eles como eu tenho pregado para todos ao longo das décadas: Deus não é um mecânico. Ele não está no negócio de nos consertar. E não precisamos nos “consertar” para ganhar sua bênção. Ele já nos abençoou. Perdi a noção do número de pessoas que aconselhei: “Como cristão, você opera em um local de graça. Você não trabalha para obter graça”.

Esse é o impulso das palavras de Jesus nesta passagem. Ele nos diz: “Você fadiga e gira de uma forma que as flores nunca têm que fazer – ainda Deus agracia até plantas com beleza e vida. Você não sabe que você é infinitamente mais valioso aos olhos do seu Pai? Você não precisa se preocupar e se esforçar para agradá-lo. Ele permite que você seja exatamente quem ele quer que você seja – porque ele ama você”.

Quando Jesus foi para a cruz, foi uma demonstração desse grande amor por nós. Ele ficou em nosso lugar apesar das nossas muitas imperfeições e fracassos – tudo porque somos muito valiosos para ele.

Eu posso me identificar com a geração ferida.

Nas minhas primeiras décadas, fui tomado por um espírito órfão. Se você acidentalmente pisasse no meu pé, eu pediria desculpas por ter meu pé debaixo do seu.

Não é que eu questionei meu valor aos olhos de Deus. Meus pais sempre colocaram em mim um senso de destino. “Você vai causar um impacto no mundo”, disseram eles. “Deus vai usar você para tocar vidas”. Eles foram maravilhosos assim.

No entanto, também herdei deles algo que contribuiu para o meu espírito de órfão. Eu sempre tive a sensação de que eu poderia fazer mais do que estava fazendo. Meu pai fazia parte de uma geração que achava que sempre havia mais um sermão para pregar, mais um artigo para escrever, mais uma pessoa para levar a Jesus, mais um casal para aconselhar. O pensamento deles era: “Eu não sou suficiente até fazer o suficiente”.

Isso passou para mim – e criou ansiedade em mim. Levei anos para aprender que há uma enorme diferença entre ser dirigido por Deus e ser liderado por Deus.

Paulo viu os cristãos da Galácia trabalhando sob esse tipo de carga. Ele escreveu para mostrar a eles como o caminho de Deus é diferente com seus filhos: “Deus enviou seu Filho... para comprar a liberdade para nós que éramos escravos da lei, para que ele pudesse nos adotar como seus próprios filhos. E porque somos seus filhos, Deus enviou o Espírito de seu Filho em nossos corações, levando-nos a clamar: ‘Abba, Pai’. Agora você não é mais um escravo, mas é filho de Deus. E já que você é filho dele, Deus fez de você seu herdeiro” (Gálatas 4:4-7).

Que belo contraste. Nós não somos escravos de qualquer sistema de desempenho. Em vez disso, Paulo diz, Deus nos atraiu a si mesmo ternamente, como seu “próprio filho”. Além disso, Paulo usa uma palavra aqui para “adotar” que tem dois significados. Um significado é estritamente legal. Mas o outro significa “colocar no lugar, fazer pertencer”. Nosso Pai celestial não apenas nos adota legalmente, mostrando aceitação e aprovação. Ele nos dá sua atenção, sua afeição, até mesmo sua autoridade. E ele nos abençoa com sua própria natureza: “Você nasceu de novo, não de semente perecível, mas de imperecível, por meio da viva e permanente palavra de Deus” (1 Pedro 1:23, ESV).

Certa vez tive uma experiência que levou tudo isso a minha convicção, mudando a maneira como eu via Jesus – e a mim mesmo.

Essa experiência transformou minha vida, meus relacionamentos e como eu abordei o ministério. Eu não confio nas supostas experiências espirituais que não são fundamentadas na Palavra de Deus. Mas esta foi.

Vários anos atrás, eu tive o que eu chamaria de um “sonho acordado”. A única maneira de descrever isso é dizer que foi como ver um sonho se desdobrar diante de mim sem que estivesse dormindo.

No sonho, eu estava de pé na sacada de uma linda hospedaria feita de madeiras magníficas. As janelas altas eram feitas de belos vitrais e, no interior, perto do teto, luzes brilhavam com um brilho natural. Eu pensei comigo mesmo: “Eu não estou na sala do trono da graça, mas eu sei que este é um lugar celestial”.

Abaixo de mim, no espaçoso piso de madeira, havia uma reunião alegre de pessoas desfrutando de um grande e generoso banquete.

Além da longa mesa de banquete, havia uma incrível banda de cordas tocando música gloriosa. As pessoas balançavam a cabeça e continuavam voltando sua atenção em uma única direção. Finalmente, pude ver o que capturou o olhar deles. Era Jesus – e ele estava dançando.

Seus movimentos eram surpreendentes – poderosos, mas graciosos, do jeito que imagino o Rei Davi dançando diante do Senhor. Seus braços estavam estendidos e os movimentos que ele fazia emanavam poder, beleza e autoridade. Foi inspirador.

No entanto, enquanto eu observava tudo isso, um sentimento terrível surgiu em mim. Eu pensei: “Estou sozinho neste lugar. Eu não me encaixo. Por que não posso participar disso?”. Sentindo-me mal-humorado, desci as escadas com grande esforço. Então eu senti alguém pegar minha mão. Era Cristo – e ele me levantou e colocou meus pés em cima dos dele, como um pai levaria seu filhinho. Ele começou a dançar de novo e de repente eu me tornei parte dos movimentos incríveis que ele fazia. Eu estava no centro de sua alegria e era emocionante.

Fiquei maravilhado com o que estava acontecendo, a pura beleza e alegria disso. Então Jesus olhou para mim e disse sorrindo: “Gary, isso não é sobre você. É sobre mim”.

Com isso, tudo mudou. “Uau”, eu percebi. “Eu vejo que minha vida inteira é sobre você, Jesus. Não é sobre meus problemas. É uma dança – e é sobre você. Esta grande festa é sobre você. Essa música é sobre você. Agora eu entendi. Tudo o que eu sempre procurei está envolvido em você”.

Naquele instante, todo o meu foco foi transformado. Minha estima, meu valor, meu senso de valor não eram mais coisas que eu queria obter. Eu os encontrei em Cristo. E eu percebi: “Eu me encaixo! Eu posso dançar! Eu posso comer e beber e entrar totalmente nisso, porque ele me segura nele mesmo”.

Quando a música terminou, Jesus fez sinal para eu segui-lo até duas enormes portas de madeira. Ele as abriu para uma cena do vale cheia de aldeias. “Você não pode apenas ficar aqui e dançar”, Cristo me disse. “Você tem que ir contar a eles sobre o meu amor. Conte sobre minha dança. Diga-lhes o que os espera. Não se preocupe, eu estarei com você em todo lugar que você for”.

E ele estava presente comigo. Enquanto me dirigia para as aldeias, senti seus braços ao redor dos meus ombros, como se ele ainda estivesse me segurando na dança. Eu pensei: “Isso não parece trabalho, isto é um presente. O fardo que sinto por essas aldeias não me pesa. Eu me sinto leve, porque Jesus carrega o fardo. Eu posso ir aonde ele me levar e fazer o que ele me chamar para fazer, porque ele está comigo”.

Foi apenas um sonho, mas desde aquela época eu nunca me senti desvalorizado em minha caminhada com o Senhor.

Eu me arrisco a compartilhar essa experiência com você porque sei que há muitos cristãos como eu. O espírito órfão é dominante hoje em toda a geração ferida. Isso aflige alguns dos mais fervorosos e dedicados cristãos. Mas Deus fez um caminho diferente para seus filhos. Ele quer mostrar o quanto você é valioso para ele, o quão poderosamente você pertence a sua família. Ele não te tornou herdeiro de um fardo terrestre, mas de uma grande herança celestial. Reivindique sua herança hoje e junte-se a Jesus em uma grande dança da vida. Você é seu valioso tesouro!

Download PDF